Arquivo da tag: Tapajós

Impressões de Santarém–primeira parte

Chegamos em Santarém a noite, e o estômago já dá sinais de vida. A solução foi virmos direto a orla, onde encontramos o Massabor, pizzaria que se espalha em um píer por sobre as águas calmas e verdes do rio Tapajós e que também oferece pratos regionais. Como já estamos habituados com pizza, preferimos os sabores locais e vamos de maniçoba com arroz paraense, embalados por uma bela seleção de MPB, o que é uma grata surpresa para quem imaginava só escutar tecnobrega, forró e o onipresente sertanejo.

pier-de-santarem-2_thumb2pier-de-santarem-3_thumb2

Restaurante no Pier e vista noturna de Santarém

Este post é parte das Impressões Integrais 96 – Clique e leia o texto na íntegra.

Moradores da área de Belo Monte ficam sem indenização

Eu prefiro manter meu brado de protesto que um lamento conformista. Gasto minha energia sem pena, pois esta é renovável de fato, como o rio, novo a cada instante.
Crescimento a qualquer custo…. Para quem? Os beneficiados será os grandes de sempre, já desenvolvidos e ricos. As políticas para os menos favorecidos só surgem quando estes começam a incomodar, respingar em quem está por cima.
Toda danação – miséria, prostituição, violência, desequilíbrio social – estará bem longe de nós. Tapajós, Xingu, Teles Pires são tão longe quanto Biafra ou Somália. Não dizem nada, além de um ponto no mapa para a maioria dos brasileiros..
É como diz Mark Zuckerberg, criador do Facebook: “Um esquilo morrendo na frente de sua casa pode ser mais relevante para você neste momento do que as pessoas morrendo na África”.

Altamiro

___________________________________________
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
—————————————————————————

05/08/2012 – 06h30
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1132069-moradores-da-area-de-belo-monte-ficam-sem-indenizacao.shtml

AGUIRRE TALENTO
ENVIADO ESPECIAL A ALTAMIRA E VITÓRIA DO XINGU (PA)

A agricultora Maria das Graças Militão, 40, lucrava até R$ 8.000 por semana com a produção de cacau de sua fazenda, onde estão hoje as obras da futura terceira maior hidrelétrica do mundo: Belo Monte, em Vitória do Xingu (a 945 km de Belém).

Expulsa de sua casa em fevereiro por uma decisão judicial de desapropriação obtida pela Norte Energia, empresa responsável por Belo Monte, a agricultora não recebeu dinheiro nem outra casa. "Entraram com os tratores e derrubaram nossa horta", diz.

Como seu título de terra estava duplicado -outra pessoa tinha registro da mesma propriedade-, a empresa parou a negociação e acionou a Justiça para expulsá-la. Sem renda fixa, Militão vive na casa de um amigo e vendeu o carro para sustentar o marido e quatro filhos.

A situação tem se repetido. Em tese, as famílias afetadas por Belo Monte devem receber uma indenização em dinheiro ou ser reassentadas.

Mas há vários casos de famílias removidas sem compensação e que se dizem até ameaçadas a aceitar a proposta da Norte Energia. "Os técnicos diziam a elas: ‘Ou você aceita ou vai para a rua e briga na Justiça’", afirma a defensora pública Andréia Barreto. Segundo ela, as ofertas são baixas e desconsideram algumas posses dos moradores….

Veja a matéria completa em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1132069-moradores-da-area-de-belo-monte-ficam-sem-indenizacao.shtml