Arquivo da categoria: Acre

Pedalada inspiradora–Louise Sutherland

unnamedda

Ela era a mais velha de cinco irmãs na Nova Zelândia. Na idade de 19, tendo crescido com a bicicleta como principal meio de transporte, ela se mudou para Hospital Oamaru para cursar quatro anos de formação em enfermagem. Para visitar seus pais em Dunedin,ela pedalava durante 7 horas, percorrendo 100 km; este foi o início de seu gosto por aventuras com ciclismo de longa distância.

Em 1945, os Otago Daily Times relatou que Louise Sutherland tinha completado um passeio de 700 km de Dunedin a Invercargill para visitar um tio e também voltara pedalando, apesar de ser o início de um forte inverno na região. Com a idade de 21 anos, Louise Sutherland estava fazendo viagens de bicicleta regulares, como o roteiro de 6 dias ‘Mount Cook trip’.

Em 1949, trabalhando como enfermeira em Londres, Louise realizou o circuito Land’s End, Cornwall. No entanto, essa viagem foi só a inspiração para uma viagem muito maior e mais pela Europa e na Índia. Tudo isso foi feito com uma bicicleta comprada em um bazar por £2.10. Mais tarde, suas bicicletas foram patrocinadas Raleigh (1950 e 1960) e, em seguida, Peugeot (1970).

Em 1978, aos 52 anos,apesar de ainda saber relativamente pouco sobre mecânica de bicicletas, não sabia ao menos consertar um pneu furado, Louise Sutherland partiu sozinha em uma viagem de 4,400 km pela Transamazônica. O roteiro auto-planejado era muito mais duro do que qualquer Tour de France, algo que muitos consideravam "impossível!" Especialmente  se considerarmos que grande parte da Rodovia Transamazônica havia sido recentemente construída. Ela foi a primeira pessoa a percorrer a rota e escreveu um livro sobre sua viagem, apropriadamente intitulado, The Impossibel Ride( Amazônia, A Viagem Quase Impossível, na versão brasileira).

Em sua vida Louise Sutherland pedalou mais de 60 000 km através de 54 países. Durante suas viagens de bicicleta e da carreira de enfermagem, Louise Sutherland demonstrou uma crença no melhor da natureza humana, especialmente dos povos indígenas que ela conheceu. Ela passou muitos anos levantando dinheiro para a assistência médica das pessoas que vivem na Floresta Amazônica e esses esforços foram reconhecidos oficialmente. Em 1991, Louise Sutherland tornou-se o primeiro estrangeiro a receber o Prêmio Golden Fish por serviços prestados ao Brasil e, em 1993, o Governador Geral da Nova Zelândia concedeu-lhe a Medalha de Serviço da Rainha por seus esforços na obtenção de ajuda para as pessoas no Peru e no Brasil.

Eu li o livro desta viagem, Amazônia, A Viagem Quase Impossível. Fiquei impressionado! Como ela conseguiu ir tão longe? Além de otimista incansável, capaz de interagir com tudo e todos pelo caminho, Louise vinha com um bom humor que abriu portas e – literalmente – porteiras. Onças, indígenas, garimpos, jagunços, buracos-crateras. Tudo estava em seu caminho. Livro que vale a pena para quem se interessa pela Amazônia da década de 70, tão diferente da de hoje.

Para quem ficou curioso:
Amazônia – A Viagem Quase Impossível
Editora Totalidade
1992

download

Anúncios

Gordinha da Maternidade

Uma das estátuas mais legais que encontrei em Rio Branco é a da “gordinha da maternidade”. Tudo bem, o nome oficial não é esse, mas este, mas é assim que ela é conhecida. Amada por alguns, odiada por outros, ela não tem como passar despercebida.

Eu achei um charme!

10 08 Acre (9)

Dados da obra:
Autora: Eliana Kertész
Instalada pelo governo do Acre na entrada da Maternidade Bárbara Heliodora: uma adolescente carrega bebês nas costas, na barriga e no pensamento.

Final da Tarde as margens do rio Acre, em Rio Branco

      10 08 Acre (31)        

Entardece quando volto do Centro, onde conheci a Catedral e o Palácio do Governo, abertos para visitação. O céu começa a desbotar e resolvo apreciar a despedida do dia na última sombra da gameleira. Ao longe os carros atravessam a ponte. De um lado pequenas canoas deslizam pelo rio ao mesmo ritmo que as pessoas caminham no calçadão para manter a forma. Por cima de todos uma enorme bandeira do Acre tremula. Não está no meio do caminho, mas é o “caminho do meio”, estado que tenta mesclar preservação e desenvolvimento, futuro e passado, segurança e inovação. Tomara que possa se tornar um exemplo para todo o país.

10 08 Acre (30)

Atrações de Rio Branco

As margens do rio uma centenária gameleira testemunha o presente vivo sem esquecer do passado, preservado no casario reformado que dá aspecto de túnel do tempo ao calçadão que percorro no final da tarde.

10 08 Acre (20) Eu “batendo papo” com o poeta Juvenal Antunes. Uma de suas poesias mais famosas começa assim:
”Bendita sejas tu, preguiça amada, que não consentes que eu me ocupe em nada” Viva o poeta!

A memória do passado está bem guardada em diversos museus espalhados pela cidade. O da Borracha conta a história dos “soldados da borracha”, dos criador da União do Vegetal e de um tempo que dinheiro pouco era bobagem por aqui. O dos Povos da Floresta mistura cultura indígena, ribeirinha e as lendas amazônicas.

10 08 Acre (50)

10 08 Acre (38)

Casa dos Povos da Floresta e Cobra Grande…

O Memorial dos Autonomistas conta de tempos de guerra e de independência. E a biblioteca, além de oferecer livros e vídeos tem exposições permanentes e temporárias. E para o futuro já teremos mais, pois o estado se prepara para construir o maior planetário da América.

10 08 Acre (53)

Biblioteca da Floresta

Impressões de Rio Branco

              Rio Branco é “budista”, busca o “caminho do meio”. O novo e o antigo se misturam e a calma se mescla a agitação de uma cidade em crescimento. No Centro o rio Acre desliza tranqüilo, esperando a próxima chuva que pode fazer com que perca a paciência e esqueça que está preso em suas margens. Carros atravessam antigas pontes metálicas, mas pensando nas pessoas e nos ciclistas uma passarela também cruza as águas escuras do rio que batiza o estado.

10 08 Acre (22)

10 08 Acre (82)

Centro de Memória – Museu Chico Mendes

                Perguntamos por Chico Mendes e ouvimos histórias, muitas histórias. Perguntamos pelo Museu Chico Mendes e ouvimos uma história triste, confirmada nos jornais e na placa afixada na porta em que teimamos em conferir. Na porta do museu, a pequena casa de madeira onde Chico morava e foi assassinado, uma placa informa que por problemas financeiros ligados a parceria com o governo do Estado, o local estaria fechado por tempo indeterminado.  A profissão de “parente de Chico Mendes” já deu mais lucro, e a família parece ter esquecido que seu maior exemplo foi de resistir, persistir e trabalhar, nunca esperando o que possa vir do céu.

10 08 Acre (144) Esta é a casa em que viveu Chico Mendes, hoje museu, “Centro de Memória”.

10 08 Acre (145)

Apesar da placa o museu estava fechado e fomos informados que estava “há bastante tempo”.

OBS: A visita a Xapuri aconteceu em julho de 2010 e lembramos que o Museu pode ter sido reativado após isto. Solicitamos que alguém nos envie alguma informação mais atualizada.

Pousada dos Chapuris – Hospedagem e História

O tempo da seringa já se foi, mas as histórias permanecem. João e Nilce Mendes sabem contá-las. Seu João, bancário aposentado “foi na onda” da esposa e quando percebeu já tinha uma pousada. Hoje a Pousada dos Chapuris vira pouco a pouco um museu. Recortes de jornais e revistas ilustram as paredes , antigas máquinas de costura, juntam retalhos do passado, um gramofone ainda toca eternos sucessos de muitos discões de vinil. Os movéis do tempo da prosperidade local vieram de todo o mundo: um enorme cofre inglês para o dinheiro da borracha, penteadeiras para as moças de família, cadeiras refinadas para reuniões de negócios e, o favorito do Seu João, um conjunto de barbeiro autenticamente centenário: “era num destes que eu cortava o cabelo” – conta ele feliz mostrando o bom estado da cadeira.

10 08 Acre (132)  10 08 Acre (127)