Pescaria com o cacique

Payakan me convida para pescar. Fui e não me arrependi. Aprendi sobre frutos do cerrado, vi rastros de anta, tracajás (tartarugas de rio) boiando e poraquês (peixe-elétrico) subindo a tona. Mergulhei na Amazônia. De cada peixe pescado (um tucunaré e um trairão) Payakan tirava um pedaço de carne com gordura atrás da cabeça e devolvia para o rio. Ele me ensina: "Temos que usar a sabedoria dos kuben (brancos) e a sabedoria dos kaiapó. Isto é inteligência. Agradeço ao rio devolvendo parte do que ele me oferece, mas uso equipamento bom". Vejo isto na prática: molinete, alicate Coleman, peixe atraído com fruta, pendurado em galho, limpo na hora a moda indígena. Depois,tudo limpo, seco e arrumado. Quem ensina quem, cara pálida?

Rio Vermelho (120) Frutinhas para chamar os peixes.

Rio Vermelho (109)Paciência.

Rio Vermelho (128) Sucesso.

Rio Vermelho (123)

Tucunaré sem o pedaço que voltou para o rio. Agradecimento..

Este post faz parte das Impressões Integrais 83

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s