Quati, viagra animal!

Alimentação. Comer,comer… como isso é influenciado pela cultura, não é mesmo? Minha amiga Maria Lucia recentemente escreveu um texto delicioso sobre as deliciosas tanajuras comidas no nordeste (http://www.slowfoodbrasil.com/content/category/5/31/95/ ), e que lembro de caçar na praia com meu irmão para mamãe preparar farofa. Os Kaiapó, ao menos modernamente, não comem nada assim “diferente”, mas tem muitas restrições e crenças. Por exemplo: preguiça não pode ser comida de jeito nenhum, senão… quem come fica preguiçoso. Crianças pequenas de colo não podem comer macaco… ou vão querer ficar agarradas com as mães o tempo todo. Depois que crescem um pouco macaco já faz bem, especialmente macaco-prego. A parte mais importante é o cérebro, que a criança deve comer para ficar ágil. Tamanduá mirim é bom para cair da árvore e não se machucar.

Já os pais jovens precisam comer bastante tripa. Não descobri o porque. E quati faz bem para a potência, é o viagra local. Inclusive o homem que já não está lá estas coisas pode passar o myr do quati no seu próprio myr. Acho que nem preciso explicar o que é myr, né? Ah! Para sua segurança, se for tentar a técnica, lembre que o bichinho não pode estar vivo…

Fiquem na paz,

Protejam os quatis,

08 02 PKR (53) Wa kon (quati) na aldeia Pukararankre!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s